Bernardo Sá Earp abre a exposição “A Invenção de Si”, no Centro Cultural Correios RJ.

por
O artista traz cerca de 40 obras, entre desenhos, pinturas e esculturas, resultado dos mais de 10 anos de atividade nas artes visuais.
O artista Bernardo Sá Earp abre a exposição “A Invenção de Si”, no próximo dia 23 (quinta), com curadoria de Cota Azevedo, no Centro Cultural Correios RJ, trazendo trabalhos de desenho, pintura e escultura, totalizando cerca de 40 obras, construídas ao longo dos seus mais de 10 anos de atividade nas artes visuais.

Ao que se refere a sua linguagem poética pode-se apontar para expressividade e para crítica social contemporânea.
Cores latentes, personagens fantasmas e cenas do cotidiano são presenças marcantes na composição das obras desta mostra, que pretende reverberar os campos de forças que podem haver em trabalhos artísticos que fogem da estética funcionalista contemporânea. A exposição busca falar do existencialismo humano e de como a arte é pulsão da vida e vice-versa.
A ideia da liberdade criativa da “A invenção de Si” pode ser percebida desde da escolha da paleta de cor ao traço desconstruído da imagem. O que se poderá observar no conjunto exibido, ainda, será uma dinâmica discursiva filosófica inquietante e que tensiona o conceito: O que é o SER arte?

A exposição pode ser visitada entre os dias 24 de novembro e 20 de janeiro, na sala B (2º andar), de terça a sábado, das 12h às 19h.
Sobre Bernardo Sá Earp
Bernardo Sá Earp, Petrópolis, RJ, 1983
Artista visual e escritor, residente da cidade do Rio de Janeiro. Trabalha com uma linguagem poética expressiva. As questões existenciais humanas aliadas aos temas sócio-políticos são assuntos centrais em suas obras. Influenciado pelo movimento Fluxos, dos anos 60, passa a usar a pop–arte também como referencial criativo. Bernardo busca explorar a questão da violência existencial advinda da tomada de consciência da própria finitude, que se traduz na “brutalidade” de suas obras — pinturas, esculturas, objetos — expressando o caráter trágico de uma existência baseada no “absurdo”. Utiliza o gesto, cores marcantes, figuras humanas em situações cotidianas mais  
mundanas.
Possui formação em filosofia contemporânea pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, (PUC-RIO), 2010. Entre os anos 2011 a 2021, fez cursos de pintura, esculturas, desenho de modelo vivo, photoshop, crítica, história e teoria da arte, na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, no EAV– RJ. Em 2018 começou a estudar literatura, na PUC – RIO; e ingressou na pós-graduação do departamento de letras, no curso “Formação do Escritor”. Já em 2016 e 2017, ingressou no grupo de formação de artistas da Casa França-Brasil. A partir de 2014 participa de exposições de artes visuais coletivas no cenário nacional, publica crônicas e contos em coletâneas e jornais. Atualmente se dedica à pintura, à escrita literária e ao estudo da música. Cursou a especialização “Formação do Escritor”, de dois anos na PUC-RIO, e atualmente colabora como cronista mensal na revista digital Escritor Brasileiro ( https://escritorbrasileiro.com.br/author/bernardo-sa/)”.
Exposições
• Coletiva “Múltiplo Olhar”, Sala Djanira, CEPERJ. Rio de Janeiro, Maio
2014;
• Coletiva “Pocket Collection”, Galeria Monique Paton, Rio de Janeiro,
Abril, 2015;
• Coletiva “ArtRua”, Rio de Janeiro, Setembro, 2015;
• Coletiva “Papel ao Cubo”, Helsinque, 2015;
• Coletiva “Papel ao Cubo”, Osaka, 2015;
• Coletiva “Olho Nu”, Galeria Modernista, 2015, ( Curadoria: Gianguido
Bonfanti);
• Coletiva “Composições”, 2015-2016, Hostel Contemporâneo. (Curadoria:
Isabel Portella);
• Coletiva “Eixo Arte Contemporânea”, Galeria Eixo Arte Contemporânea
Abril, 2016;
• Coletiva “Eixo Arte Contemporânea”, Galeria Eixo Arte Contemporânea
Outubro, 2016;
• Coletiva “Coletivo Das Neo-Neo”, Proarte seminários de música,
Outubro 2016;
• Coletiva “Eixo Arte Contemporânea”, Galeria Eixo Arte Contemporânea
Março, 2017;
• Coletiva “Imersões”, Casa França-Brasil, Março 2017;
• Coletiva “Para Todos”, Galeria Carpintaria, Agosto 2017;
• Coletiva “Eixo Arte Contemporânea”, Galeria Eixo Arte Contemporânea,
Março 2018;
• Coletiva “Bandeiras”, Galeria de Arte “Paulo Branquinho”, Julho, 2018
• Coletiva “exposição [-]é[+]”, Galeria de arte “Paulo Branquinho”,
Dezembro, 2018;
• Coletiva “Parque #9”, Galeria de Arte “Casa do Paulo Branquinho”,
Agosto, 2019;
• Coletiva “Ocupaçãp Rua Moraes e Vale”( Curadoria Paulo Branquinho),
Dezembro, 2019;
• Coletiva “MuvucAto Vem de Dentro”, “Olugar Arte Contemporânea”,
Dezembro, 2019 ;
• Coletiva “Exposição de Final de Ano”, EAV, Dezembro, 2019.
 
“A arte contemporânea é minha forma de pensamento, uma expressão sensorial que transcende palavras. Em minhas pinturas figurativas, busco desvendar a “Questão do Ser”, inspirado por Heidegger. No momento da criação, encontro plenitude, harmonizando luzes e sombras em corpos nus. Quando uma obra se completa, ela ganha vida própria, deixando de ser minha e tornando-se uma experiência pública, onde meu pensamento se entrelaça com o espectador. Pintar é minha jornada para o desvelamento do Ser, uma busca incessante que me impulsiona artisticamente”, diz Bernardo.
 
Sobre a curadora Cota Azevedo
Curadora independente, comunicóloga crítica, produtora e artista transdisciplinar. Possui formação de pós-graduação em Curadoria, Museologia e Gestão de Produção, bem como em História da Arte, pela Universidade Estácio de Sá (RJ). É também pós-graduada em Psicanálise e em Psicologia pela Faculdade Metropolitana (RJ). Atua, desde 2021, como produtora e curadora em artes, planejando e executando exposições tanto individuais como coletivas. Como comunicadora, obteve a sua formação em Jornalismo no Centro Universitário Newton Paiva (BH), em 2009, e, desde então, tem produzido textos críticos para diferentes meios de comunicação e desenvolvendo projetos no setor.
“Nesta exposição, explora-se o existencialismo humano, revelando como a arte é uma pulsão vital, intrinsecamente ligada à essência da vida. Sob o tema “A Invenção de Si”, convido o público a contemplar a liberdade criativa manifestada na escolha da paleta de cores e no traço desconstruído das imagens. Ao observar este conjunto, somos instigados por uma dinâmica discursiva filosófica que nos leva a questionar: o que verdadeiramente significa SER arte? Cada obra exposta reflete a profunda ponderação do artista sobre essa questão essencial. Nas obras, há uma interação fascinante entre cores latentes, personagens fantasmáticos e cenas do cotidiano. Esses elementos não apenas adornam as telas, mas também um diálogo sobre os campos de forças artísticas e a estética contemporânea”, explica Cota.
Serviço
Exposição: “A Invenção de Si”
Artista: Bernardo Sá Earp
Curadoria: Cota Azevedo
Abertura: 23 de novembro de 2023 às 15h
Visitação: 24 de novembro de 2023 a 20 de janeiro de 2024
De terça a sábado, das 12h às 19h
Local: Centro Cultural Correios RJ – 2º andar – sala B
Rua Visconde de Itaboraí, 20 – 20010-976 – Rio de Janeiro – RJ
Censura Livre
Gratuito
Apoio: Centro Cultural Correios RJ
Assessoria de Imprensa: Paula Ramagem
Público alvo: O projeto pretende atingir estudantes, professores, artistas, críticos, visitantes do espaço cultural, frequentadores do Centro do Rio e público em geral de faixa etária, nível socioeconômico e cultural diferenciados.
Como chegar: metrô (descer na estação Uruguaiana, saída em direção a Rua da Alfândega); ônibus (saltar em pontos próximos da Rua Primeiro de Março, da Praça XV ou Candelária); barcas (Terminal Praça XV); VLT (saltar na Av. Rio Branco/Uruguaiana ou Praça XV); trem (saltar na estação Central e pegar VLT até a AV. Rio Branco/Uruguaiana).
Informações: (21) 2253-1580 / E-mail: centroculturalrj@correios.com.br
A unidade conta com acesso para pessoas cadeira

Você também vai curtir